BR-101, terra de ninguém
30/07/2018 22:28 - Atualizado em 31/07/2018 09:56
A onda de assaltos na BR-101 não para, atingindo vários campistas que trafegam na rodovia, principalmente os que têm o Rio como destino final ou que retornam da capital para Campos. Toda semana há pelo menos um relato de violência na estrada, seja assalto, tentativa de assalto, arrastão, perseguição de carros, bandidos circulando com armas em punho e/ou carros fugindo de ré.
Há vários trechos críticos, alguns perto de Macaé, mas o pior hoje é o segmento chamado de Rodovia Niterói-Manilha, entre Niterói e o distrito de Manilha, em Itaboraí. Esse trecho corta São Gonçalo, município mais populoso do estado do Rio depois da capital, com 1 milhão de habitantes.
Crescendo de forma desordenada, São Gonçalo conta com muitas favelas, sendo várias delas localizadas às margens da BR-101. O trecho mais perigoso da rodovia é o que passa ao lado do Complexo do Salgueiro, situado entre os kms 307 e 309, bem próximo ao Posto de Polícia Rodoviária Federal.
Ali é onde tudo acontece. Os bandidos e traficantes assaltam na rodovia e rapidamente entram no Complexo do Salgueiro, onde o estado não tem vez. O complexo reúne 5 favelas e 15 mil moradores e é considerado um dos locais mais perigosos do estado do Rio, onde sequer ONGs entram.
As vias que dão acesso ao Complexo do Salgueiro são fechadas com barricadas pelo tráfico. Em suas margens, bandidos circulam com fuzis. É esconderijo de chefes de facção e o quartel general do Comando Vermelho em São Gonçalo. É também um dos principais redutos de assaltantes de carga no estado.
Para quem vai de Campos ao Rio, ele fica à direita da rodovia, se iniciando no km 307, pouco antes do Posto da Polícia Rodoviária Federal situado no km 308, ao lado do Complexo do Salgueiro. Esse posto é chamado de Posto de Itaúna, em referência ao bairro de Itaúna. Em frente ao Complexo do Salgueiro há uma passarela na rodovia, a Passarela 12 ou Passarela do Luiz Caçador, famosa por sediar bocas de fumo.
Espremidos entre a BR-101 e a Baía de Guanabara, bandidos e traficantes do Complexo do Salgueiro assaltam na rodovia nos dois sentidos e têm que passar por ela para acessar os demais bairros e a sede do município de São Gonçalo, bem como para ir a outros municípios.
Além da Polícia Rodoviária Federal, perto deste trecho da rodovia há um Batalhão da Polícia Militar. Apesar da violência ser amplamente conhecida ali, o estado se omite e pouco ou nada faz. A AutoPista Fluminense, dona da concessão, fatura com os pedágios, mas não se mobiliza em prol dos usuários da rodovia.
Enquanto isto, motoristas e passageiros na BR-101 ficam à mercê da própria sorte e têm de rezar para não ser o alvo da vez, seja próximo a Macaé, ao Complexo do Salgueiro ou em outro trecho inseguro da rodovia.
Fontes: Folha de São Paulo, Extra, O São Gonçalo e O Fluminense

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

    Sobre o autor

    Christiano Abreu Barbosa

    cbarbosa@fmanha.com.br